Interviewed by Juliana D Choufi

Fupete and Erika Nasonero are the names behind the project Fupete. The couple has been living and working together for seven years now. Like a perfect Italian couple, they warn me that they disagree a lot but as you may find at the end of this interview, they are in complete synchrony. I must say it was a pleasure talking to these two lovely and brilliant artists that took me down the memory lane and shared their thoughts about work, life and inspiration.

How did you first get involved in arts?
Fupete: Easy. My grandfather was a painter. He was part of the painters that did the classic italian style paintings from last century, from the beginning of the century; called Macchiaioli. He painted impressionist landscapes. He painted all his life but he started around his 40s and painted until 81 or 82 years old. As a painter he maintained all of his family. He wasn’t a famous artist; painting was his job. He had a gallery for 40 years. He didn’t get to be rich but he managed to sustain the family well. He died when I was 14 so I didn’t have enough time to share with him about art or whatever but every day of my life I remember the smell of the oil paint. When I was a kid I used to watch him paint very close to him. I didn’t study art, but for years I’ve kept thinking about these memories and I realized I wanted to be an artist. I studied other things like Engineering but in the end I came back to this image, this memory…He was also an actor, a very crazy guy! His name was Giacomo and he was part of the Vernacular Theatre.
Erika: For me it’s completely different. No one in my family likes art. When I was 18 I started to study History of Art at the university and I quickly started to manage and organize exhibitions and festivals. I’m an art curator. Our relationship is ‘complicated’ (referring to her relationship with Fupete) because I am a curator but also an assistant and in this work for NOVA we came up with the idea together.
Fupete: We’ve been thinking together for many years now. Fupete is an artwork that used to be only mine but it’s been six years that we’re together and there’s a lot about our relationship in our work. It’s been many years since we wanted to do something like Jean Claude; their work is strictly related to their relationship. In our case it’s the same. We are together 24 hours a day.

What’s the story behind the name FUPETE?
F: I can tell this story in many ways; it can be very fascinating or very easy. My nephew was born in Spain; when he was around two years old he used to say this all the time “Quiero un fupete” that means “I want a fupete”. This was actually a language mistake, a kid mistake, he wasn’t able to pronounce the “ch” and say the correct thing that is “Quiero un chupete”, meaning “I want a pacifier”. At that time I was doing my first series of painting and thinking about being a professional artist and I was searching for a name. I grew up in a culture of nicknames and my name is not a secret but I love to live a second life. I can choose to be whatever I want. When my nephew was asking for a ‘fupete’ I was intrigued by this word. So, it’s an invented word by my nephew. The word doesn’t exist. I thought it was perfect! Since it’s a word that doesn’t exist, if you google ‘fupete’, there’s just me! There are also some books that show up under the name fupete by Leonardo but I didn’t manage to understand what it is. Maybe it’s also an error (laughs).

Can you talk a bit about the work you are developing here?
F: The title of this work is “Raw Canvas” and it’s a new series of work we’ve been planning to do for many months now. In the past few years, most of my works for exhibitions, my paintings, my drawings went outside the limits of the canvas. I would fulfill the walls of the gallery or the place that the work was being showcased. Many journalists have related these works to street art or urban art because I started to do art when I was in Rome and most of my friends are street artists there, but my work is different from the works on the walls of the streets, I just don’t want limits. And the canvas is a limit for me. The idea of the work is that it still remains Fine Art for me, because I was a kid and I saw my grandfather painting and he was a fine artist; and for me that was incredible! I always dreamed about being like him. My work is mostly related to limits and borders. The idea here is to have a classic canvas, a framed canvas that is stretched trying to escape the limits and conventional shapes. Once it’s finished, it will be more like a sculpture. I still have to paint it to get my idea done, to use it as a real canvas. I want to express this idea that it’s just a painting; it’s a painting trying not to have limits.
E: This idea also comes from the idea of NOVA. This is a festival where experimentation is very appreciated so we were at home thinking about some kind of work that would also go in this direction. We thought that we would be free to do something very big also.
F: The idea is to have a flow that goes into space. In the end it will be graphic as well because of the painting.
E: Also the canvas allows us to create round shapes, something circular that wouldn’t normally be possible for a canvas.
F: This work could have been done in other materials; people ask us why we didn’t do it in a random textile or other materials like silicon. The idea is to use a real canvas, the same material you would use to stretch on a frame. We want to relate this work to painting.
E: The idea is to extend the canvas. In the end it’s this only.
F: Yes. Very simple. And we were very surprised because in all of our research, we might be mistaking, but no one has done this before.
E: We wanted to do something that didn’t already exist.
F: When we had this idea we thought that a lot of people might have done it but we only found a few experiments on this kind of work, but they were all very small and this is very strange because this material is very cheap, it’s just wood and raw canvas. I love to have a classic painting on my wall at my place, or a classic poster. I also paint classic canvas; I would love people to have my work on his or her wall but then I think, “Why not extend it? Why not open the canvas and try to see what’s inside?”.
E: I hope it’s going to be very nice!
F: In the last couple of years we’ve learned a lot and we have become more courageous and daring.
E: Yes! Yes.
F: We now have the courage to do this kind of works in museums or other festivals for the first time, without a previous trial. Also the method we are using is turning out to be what it is minute by minute. We’re inventing! (laughs)
E: Yes. Inventing a lot. (laughs)

So you improvise?
F&E: Yes! A lot!
F: Most of my work is about improvising. Most of her work (points to Erika) is improvised as well. When we curate events or exhibitions of other artists, the way we do it is strictly related to the action of the artist. So this festival is perfect for our work! This festival is perfect for us. We work in progress every day of our lives. We live in a work in progress (laughs).
E: It’s very important to believe in our work and ourselves. This is very important for doing new things. Do you agree? (laughing and looking at Fupete)
F: It’s true! We were in Rome and we were busy…
E: We fight a lot. (laughs)
F: We had a gallery in Rome for a couple of years. Studio Fupete, it was my studio and also a gallery we shared.
E: That’s when we started working together.
F: Yes. It was our first year working together. Seven years ago…we had this gallery and after a year it started to do really well but at some point we realized that it was too much work and that we were going in a direction that wasn’t taking us where we wanted to go. There was too much involvement in the gallery and Rome is very expensive. At a certain point we saw ourselves going in strange directions so we chose to leave everything behind and go back to Tuscany, in the countryside, back to our origin. After seven years I can say it was a good decision.
E: We did the right thing. We can work really well back there since we don’t have many inputs; we have to improvise.
F: We have a lot of limits there. It’s far away from everything and this brings you a lot of limits in a certain way. When I do workshops with kids I try to teach them that limits take you to freedom, you know? If you know the limits, you know what you have to do to be free.
E: If you don’t have limits, in the end you do nothing.
F: It’s harder to work without limits.

Do you like to work in collaboration with other artists?
E: Yes.
F: I try… I’ve done much collaboration in the beginning of my career, in the last few years not so much because we moved to the countryside. I always worked alone, most of the time. I did a few projects with ROJO involving other artists. It’s been many years since I worked together with another artist like I did here with Yang02. I really enjoyed that Takahiro asked me to do something on his wall. It wasn’t planned. I started doing it and we shared a language, there are many words written in Japanese. I think it’s really nice because it’s a machine mixed with a human hand.
E: And at the same time there aren’t many situations where you can do collaboration back in Tuscany.
F: We are doing some collaboration but with other kind of arts, not visual arts. We’re doing things in theater, music, and other kind of stuff.
E: Last year we did a lot of things in this direction.
F: With other kind of arts, yes; like performing arts. We’re trying to develop a live drawing performance with tagtool. We’re trying to use it in many ways.
E: With tagtool you can draw live and you can project the image wherever you want.
F: Without the computer in front of you, you just need the tablet and a wall.

How does your creative process start?
F: You’re going to have very different answers here (laughs). For my process I need do make a lot of mess in the beginning.
E: (laughs) Ah! Yes! We are the opposite!
F: The mess can be whatever. It could be hours searching for references on the web or at a library. It could be a drawing of whatever and I spend days drawing, after a couple of days I go back to my mess and try to figure out what I can take out of it. Sometimes I wake up in the middle of the night and draw or write. And in the morning after I realize I had an idea and I just go from there. This has happened many times but the idea always comes out of the mess I did inside my brain days before (laughs). I need a lot of things and information to stimulate my process.
E: For me is different. I need to see things to visualize my idea.
F: This is nice and is one of the things I love about her. I met her during a period of my life in which it was very difficult for me to choose what was good and what wasn’t good from my work. After I got to know her she went like “Ah! This is good!” or “No! This is not good! Not good at all!” (laughs). Just intuitive!
E: Yes. It’s very simple, no? I’m very intuitive.
F: I’m not intuitive.
E: He is very rational.
F: A lot of people see me painting and think I’m going completely random because I make a lot of mess. But for me it’s like a dance, dancing is strictly related to the brain. When you dance, you can go random as long as you know the basis. For me it’s about harmony, if I just go random, this painting will end up in the trash; that’s for sure. I need to have rhythm; and this is completely intuitive. It’s hard to explain, for example, when an actor is really good, you know his good even if he is not acting, you can tell by his presence.
E: It’s not easy to explain this process…I’m not like him, I don’t have a lot of ideas all the time.
F: Most of the time she gets tired of my ideas.
E: So I think we complement each other.
F: Not in all the aspects, but we are complementary, yes.
E: I can choose what’s good about his work and he gives me a lot of ideas!
F: A lot of people who gets to know us during festivals think that I talk a lot and that she is quiet. But in real life we’re the opposite, she does the talking and I’m very quiet.
E: He only talks to artists and people related to art! (laughs)
F: And she talks a lot! (laughs) The thing is, when you’re in a festival, it’s like having too much water in a glass, and if you don’t get rid of some of this water you will spill everything on the floor. And I need to talk a lot with other artists and the people I meet. Most of them are new for me.
E: I like to observe the other artists.

When do you know the work is done?
E: I feel it!
F: She’s very intuitive, so… For me it’s strange… Maybe when I don’t hear sounds anymore. When I’m drawing I have my headphones on but I can do it without, on my own, with my own sounds and at a certain point this rhythm just disappears! It’s finished.
E: I think he checks all the possibilities before finishing his works, no?
F: Yeah, maybe. I did a lot of mistakes putting on one more layer of paint! So I’m starting to learn when the work is done. (laughs) It’s about happiness because if the work is really finished, you are happy. You feel that you’ve given life to a son in someway. You can’t be sad if you give life to someone.

What inspires you?
E: We look up a lot of things on the Internet. We look up a lot of things besides the Internet too: books, images, other artists and other arguments. Experimenting is also very inspiring!
F: She said probably many of things that also inspire me. What she didn’t say is that working in the forest, in the countryside inspires both of us.
E: Traveling and staying in the nature really inspires me!
F: I think that if inspiration is related to the act of doing art then it is also strictly related to the difficulty of being an artist today, for me at least. You can use a lot of practical information, read books, sketch…but I think that the main argument about what inspires me is completely related to this difficulty; this inspires me to go forward! It’s really hard to be an artist nowadays.
E: It’s all about following your dreams and it’s related to courage…
F: Or stupidity, maybe (laughs). When I started as a graphic designer, of course I had more money and I know I can do that job. But that’s not who I am. I can’t do that anymore. In the end, it’s not about how much you have but the richness arts bring you in the inside. Also the period and moment in life you are living inspires the work; it can’t be separated. Like this work we’re doing here, we wanted to do this for a long time but if we did it back home it wouldn’t make any sense. The fact that we’re here makes it possible. The festival itself is an inspiration for this work.

What’s your favorite kind of music?
E: For me…
F: For you it’s very simple: Rock.
E: Yes. Rock.
F: From Metallica to ACDC. (laughs)
E: Yeah! (laughs) and I also like experimental music, any kind of music that makes you go forward. And I don’t like electronic music.
F: I notice that most of the people that you asked this question mentioned their favorite bands…but we’re not able to do it. I listen to a lot of music but it’s completely random.
E: If I think of a band I can say maybe The White Stripes but there are many! I listen to a lot of things but I don’t remember the names of the songs or bands because I don’t want to. It’s a lot!
F: Every artist that visits our home is asked to leave us a playlist on our computer. We have hours and hours of music. Many of them I’ve never heard in my entire life! Our relationship with music…Ah! Relationship it’s nice! Our relation with music is about empathy. Maybe if I had to say one artist I would go with Keith Jarett. His music saved my life…I learned that music can also be a medicine.

How would you describe the feeling of NOVA?
F: You go first. (laughs) I always put her in front of me…always.
E: I think the energy here is perfect. You can talk and meet artists that live in another part of the world and see what they’re doing. It’s very inspiring! I think it’s really, really cool. For me this is real. Very nice!
F: I’m very happy to be here and very honored. I’m proud of being invited by David. This last week I was here was very intense, vivid and funny! It was perfect for my creative process. I love the idea that there are people watching me work.

Fupete e Erika Nasonero são os nomes por trás do projeto Fupete. O casal vive e trabalha junto há sete anos. Como um perfeito casal italiano, eles me avisam que os dois discordam muito entre si, mas como você poderá perceber no final desta entrevista, eles estão em total sincronia e sintonia. Devo dizer que foi um prazer conversar com esses dois artistas queridos e brilhantes que me levaram ao campo das memórias e dividiram as suas reflexões e pensamentos sobre vida, trabalho e inspiração.

Como você se envolveu com artes?
Fupete: Fácil. Meu avô era um pintor. Ele fez parte dos pintores clássicos italianos do século passado, do início do século; o grupo era chamado Macchiaioli. Ele pintava paisagens impressionistas. Ele começou a pintar por volta de seus 40 anos e pintou até 81 ou 82 anos de idade. Como pintor ele sustentou toda a sua família. Ele não era um artista famoso; pintura era o seu trabalho. Ele teve uma galeria durante 40 anos. Ele não chegou a ser rico, mas ele conseguiu sustentar bem a família. Ele morreu quando eu tinha 14 anos então eu não tive tempo suficiente para compartilhar com ele sobre a arte ou qualquer outra coisa, mas todos os dias da minha vida, eu lembro do cheiro da tinta a óleo. Quando eu era criança eu costumava vê-lo pintar bem ao lado dele. Eu não estudei artes, mas passei anos pensando sobre essas memórias e percebi que queria ser um artista. Eu estudei outras coisas, como Engenharia, mas no final voltei a essa imagem, essa memória… Ele era também um ator, um cara muito louco! Seu nome era Giacomo e ele fazia parte do Teatro Vernacular.
Erika: Pra mim foi completamente diferente. Ninguém na minha família gosta de arte. Quando eu tinha 18 anos comecei a estudar História da Arte na universidade e rapidamente comecei a gerenciar e organizar exposições e festivais. Eu sou uma curadora. Nosso relacionamento é ‘complicado’ (referindo-se ao seu relacionamento com Fupete), porque eu sou curadora, mas também sua assistente e neste trabalho para NOVA tivemas a idéia juntos.
Fupete: Estamos pensando juntos há muitos anos. Fupete é um trabalho que costumava ser só meu, mas de seis anos pra cá, desde que estamos juntos, há muito sobre a nossa relação que reflete no trabalho. Há anos que temos vontade de fazer algo parecido com Jean Claude, uma obra que está totalmente relacionada com o relacionamento deles. No nosso caso é a mesma coisa. Vivemos juntos 24 horas por dia.

Qual é a história por trás do nome FUPETE?
F: Eu posso contar esta história de muitas maneiras, pode ser muito fascinante ou muito simples. Meu sobrinho nasceu na Espanha, e quando tinha cerca de dois anos, ele costumava dizer essa frase o tempo todo “Quiero un fupete” que significa “Quero um fupete”. Isso era na verdade um erro de linguagem, um erro de criança, ele não era capaz de pronunciar o “ch” e dizer a palavra correta que é “Quiero un chupete”, que quer dizer “Quero uma chupeta”. Naquela época, eu estava fazendo minha primeira série de pintura e pensando em ser um artista profissional e eu estava procurando um nome. Eu cresci em uma cultura de apelidos e meu nome não é um segredo, mas eu adoro viver uma segunda vida. Eu posso escolher ser o que eu quiser. Quando meu sobrinho estava pedindo um “fupete” fiquei intrigado com esta palavra. Então, é uma palavra inventada pelo meu sobrinho. A palavra não existe. Eu achei que foi perfeito! Já que é uma palavra que não existe, se você procurar Fupete no google, só aparece o meu trabalho! Há também alguns livros de Leonardo que aparecem sob o nome Fupete, mas eu não consegui entender o que é. Talvez seja um erro também. (risos)

Vocês podem falar um pouco sobre o trabalho que estão desenvolvendo aqui?
F: O título deste trabalho é “Raw Canvas” (Tela Crua) e é uma nova série de trabalhos que estamos planejando fazer há muitos meses. Nos últimos anos, a maioria dos meus trabalhos para exposições, minhas pinturas, meus desenhos saem fora dos limites da tela. Gosto de cobrir as paredes da galeria ou o lugar que o trabalho está sendo apresentado. Muitos jornalistas têm relacionado meus trabalhos com Street Art ou arte urbana, porque eu comecei a fazer arte quando estava em Roma e a maioria dos meus amigos são artistas de rua lá, mas meu trabalho é diferente disso, eu apenas não quero ter limites. E a tela é um limite para mim. A idéia do trabalho, para mim, é que ele ainda permaneça entendido como Belas Artes, porque eu era criança e via meu avô pintar telas e ele era um artista plástico de Belas Artes e para mim isso era incrível! Eu sempre sonhei ser como ele. Meu trabalho está principalmente relacionado com limites e fronteiras. A idéia aqui é ter uma tela clássica, uma tela emoldurada que é esticada tentando escapar os limites e as formas convencionais. Assim que terminar, vai ser mais como uma escultura. Eu ainda tenho que pintar para chegar na minha ideia, para ser como uma tela real. Quero passar a idéia de isso aqui que é apenas uma pintura, é uma pintura tentando não ter limites.
E: Essa idéia também vem da idéia do NOVA. Este é um festival onde a experimentação é muito apreciada e por isso pensamos muito sobre algum tipo de trabalho que também caminhe nessa direção. Nós pensamos que estaríamos livres para fazer algo muito grande também.
F: A ideia é ter algo fluído que entra no espaço. No final será gráfico também por causa da pintura.
E: Esse trabalho também nos permite criar formas redondas e circulares, algo que normalmente seria impossível para uma tela.
F: Este trabalho poderia ter sido feito em outros materiais, as pessoas nos perguntam por que não fazê-lo em um tecido qualquer ou outros materiais como o silicone. A ideia é a utilização de uma tela real, o mesmo material que utilizaria para esticar sobre uma armação. Queremos relacionar este trabalho com a pintura.
E: A idéia é estender a tela. No final, é só isso.
F: Sim. Muito simples. E nós ficamos muito surpresos, porque em todas as nossas pesquisas, podemos estar equivocados, mas vimos que ninguém fez isso antes.
E: Nós queríamos fazer algo que não existisse.
F: Quando tivemos essa idéia pensamos que um monte de gente já teria feito isso, mas só encontramos algumas experiências sobre este tipo de trabalho, e eram todas muito pequenas e isso é muito estranho, porque esse material é muito barato, é apenas madeira e lona crua. Eu amo ter uma pintura clássica na parede da minha casa, ou um pôster clássico. Eu também gosto de pintar telas clássicas, e adoraria que as pessoas tivessem o meu trabalho na parede de suas casas, mas aí eu penso: “Por que não estendê-la? Por que não abrir a tela e tentar ver o que tem dentro?”.
E: Eu espero que o trabalho fique muito bom!
F: Nos últimos anos a gente aprendeu bastante e estamos mais corajosos e ousados. Agora temos a coragem de fazer este tipo de trabalho em museus ou outros festivais pela primeira vez, sem testar antes. Além disso, o método que estamos usando vai se apresentando minuto a minuto. Estamos inventando! (risos)
E: Inventando bastante. (risos)

Então vocês improvisam?
F&E: Sim! Muito!
F: A maioria do meu trabalho é em cima de improvisação. A maior parte do trabalho dela (aponta para Erika) é improvisado também. Quando curamos eventos ou exposições de outros artistas, a forma como o fazemos está estritamente relacionada à ação do artista. Então, este festival é perfeito para o nosso trabalho! É perfeito para nós. A nossa vida é um trabalho em andamento. Vivemos em um grande “work in progress”. (risos)
E: É muito importante acreditar no nosso trabalho e em nós mesmos. Isso é essencial para podermos fazer coisas novas. Você concorda? (rindo e olhando para Fupete)
F: É verdade! Nós estávamos em Roma e estávamos ocupados…
E: A gente discorda muito um do outro. (risos)
F: Tivemos uma galeria em Roma por alguns anos. O Estúdio Fupete, era meu estúdio e também uma galeria que compartilhamos.
E: Foi aí que começamos a trabalhar juntos.
F: Sim. Foi nosso primeiro ano trabalhando juntos. Há sete anos… nós tínhamos essa galeria e depois de um ano tudo ia muito bem, mas em algum momento percebemos que estávamos indo em uma direção que não estava levando-nos onde queríamos chegar. Houve muito envolvimento na galeria e Roma é muito caro. A certa altura optamos por deixar tudo para trás e voltar para a Toscana, na zona rural, de volta à nossa origem. Após sete anos, posso dizer que foi uma boa decisão.
E: Nós fizemos a coisa certa. Nós trabalhamos muito bem lá e como não temos muitos recursos temos de improvisar.
F: Há muitos limites. Estamos longe de tudo e isso nos limita de uma certa maneira. Quando eu faço oficinas com crianças eu sempre tento ensinar que os limites levam à liberdade, sabe? Se você conhece os limites, você sabe o que tem que fazer para ser livre.
E: Se você não tem limites, no final não faz nada.
F: É mais difícil trabalhar sem limites.

Vocês gostam de trabalhar em colaboração com outros artistas?
E: Sim.
F: Eu tento… Eu fiz muita colaboração no início da minha carreira, nos últimos anos nem tanto porque nos mudamos para o campo. Sempre trabalho sozinho, a maior parte do tempo pelo menos. Eu fiz alguns projetos com a ROJO envolvendo outros artistas. Têm muitos anos que eu não faço algo em conjunto com outro artista como eu fiz aqui com Yang02. Eu gostei muito quando Takahiro me pediu para fazer algo em sua parede. Não foi planejado. Eu comecei a fazer e nós dividimos uma linguagem, há muitas palavras escritas em japonês. Eu acho que ficou muito legal porque tem essa coisa da máquina misturada com uma mão humana.
E: Onde a gente mora, não têm muitas situações que nos permitam fazer colaboração.
F: Estamos fazendo algumas colaborações com outros tipos de artes, não artes visuais. Estamos fazendo algumas coisas com teatro e música.
E: No ano passado fizemos um monte de coisas nesse sentido.
F: Com outros tipos de artes, sim, gosto de trabalhar em colaboração. Como artes cênicas, por exemplo, nós estamos tentando desenvolver um projeto de desenho ao vivo com tagtool. Estamos tentando usá-lo de muitas maneiras.
E: Com tagtool você pode desenhar ao vivo e projetar a imagem onde você quiser.
F: Sem o computador, você só precisa do tablet e uma parede.

Como começa seu processo criativo?
F: Você vai ter respostas muito diferentes aqui. (risos) Para o meu processo eu preciso fazer muita bagunça no começo.
E: (risos) Ah! Sim! Nós somos o oposto!
F: A bagunça pode ser qualquer coisa. Pode ser horas procurando referências na web ou em uma biblioteca. Pode ser um desenho de qualquer coisa e então eu passo dias desenhando, depois de alguns dias eu volto para a minha bagunça e tento descobrir o que posso tirar de tudo aquilo. Às vezes eu acordo no meio da noite para desenhar ou escrever. E na manhã seguinte eu percebo que tive uma idéia e parto daí. Isso já aconteceu muitas vezes, mas a idéia sempre vem da confusão que eu fiz dentro de meu cérebro dias antes (risos). Eu preciso de um monte de coisas e informações para estimular o meu processo.
E: Para mim é diferente. Eu preciso ver muitas coisas para visualizar a minha idéia.
F: Isso é bom e é uma das coisas que eu amo dela. Eu a conheci durante um período da minha vida em que era muito difícil para eu escolher o que era bom e o que não era bom do meu trabalho. Depois que nos conhecemos ficou fácil, ela olha e fala “Ah! Isso é bom!” ou “Não! Isso não é bom! Horrível!” (risos) É pura intuição!
E: Sim. É muito simples, não? Sou muito intuitiva.
F: Eu não sou intuitivo.
E: Ele é muito racional.
F: Um monte de gente me vê pintar e acha que eu trabalho completamente aleatório porque eu faço muita bagunça. Mas pra mim é como uma dança e é um fazer estritamente relacionado ao cérebro. Quando você dança, você pode fazer gestos aleatórios sim, desde que você saiba a base. Para mim trata-se de harmonia, se eu pinto aleatoriamente, esse quadro vai acabar no lixo, com certeza. Eu preciso ter ritmo, e isso é completamente intuitivo. É difícil explicar, por exemplo, quando um ator é realmente bom, você sabe que ele é bom mesmo que ele não esteja atuando, você saber pela sua presença apenas.
E: Não é fácil explicar este processo… Eu não sou como ele, eu não tenho um monte de idéias o tempo todo.
F: Na maioria das vezes ela se cansa. (risos)
E: Então, eu acho a gente complementa.
F: Não em todos os aspectos, mas somos complementares, sim.
E: Eu posso escolher o que é bom do trabalho dele e ele me dá um monte de idéias!
F: Um monte de gente que conhecemos durante os festivais pensam que eu falo muito e que ela é quieta. Mas na vida real nós somos o oposto, ela faz a falação e eu sou muito tranquilo.
E: Ele só fala com artistas e pessoas ligadas à arte! (risos)
F: E ela fala muito! (risos) Quando você está em um festival, é como ter muita água em um copo, e se você não se livrar de parte dessa água vai derramar tudo no chão. E eu preciso falar muito com outros artistas e as pessoas que encontro. A maioria delas estou sendo apresentado pela primeira vez.
E: Já eu, gosto de observar os outros artistas.

Quando você sabe que o trabalho está pronto?
E: Eu sinto!
F: Ela é muito intuitiva, então… Pra mim é estranho… Talvez quando eu não ouvir mais sons. Quando eu estou desenhando eu estou com meus fones de ouvido, mas posso trabalhar sem com meus próprios sons e ritmo. E em um certo ponto esse ritmo simplesmente desaparece! Aí sim está acabado.
E: Eu acho que ele verifica todas as possibilidades antes de terminar suas obras, não?
F: Sim, talvez. Eu já errei muito colocando mais uma camada de tinta! Então, eu estou começando a aprender quando o trabalho está pronto. (risos) E tem a ver com felicidade também, porque se o trabalho estiver realmente concluído, você está feliz. Você sente que você deu vida a um filho de certa maneira. Você não pode ficar triste se der vida a alguém.

O que inspira vocês?
E: Nós olhamos um monte de coisas na Internet. E um monte de coisas fora da Internet também: livros, imagens, outros artistas e outros argumentos. Experimentar é também muito inspirador!
F: Ela disse provavelmente muitas das coisas que também me inspiram. O que ela não disse é que trabalhar na floresta, no campo inspira muito os dois.
E: Viajar e ficar na natureza realmente me inspira!
F: Eu acho que se inspirar está relacionado ao fato de fazer arte, então também pode ser considerado como inspiração a dificuldade de ser um artista hoje, pelo menos para mim. Você pode usar uma grande quantidade de informações práticas, ler livros, esboçar… mas eu acho que o principal argumento sobre o que me inspira é essa dificuldade, é isso que me faz seguir em frente! É muito difícil ser um artista hoje em dia.
E: É seguir seus sonhos e ser corajoso para seguí-los…
F: Ou estupidez, talvez (risos). Quando comecei a trabalhar como designer gráfico, é claro que eu tinha mais dinheiro e eu sei que eu posso fazer esse trabalho. Mas isso não é quem eu sou. Eu não posso mais fazer isso. No final, não se trata de quanto você tem, mas sim a riqueza a arte traz no seu interior. Além disso, o período e momento da vida que você está vivendo inspira o trabalho, não podem ser separados. Como este trabalho que estamos fazendo aqui, nós queríamos fazer isso há muito tempo, mas se fizéssemos isso em casa, não faria qualquer sentido. O fato de que estarmos aqui torna o trabalho possível. O festival em si é uma inspiração para este trabalho.

Qual é o seu tipo de música preferido?
E: Pra mim…
F: Pra você é muito simples: Rock.
E: Sim. Rock.
F: De Metallica a ACDC. (risos)
E: Sim! (risos) e eu também gosto de música experimental, qualquer tipo de música que faça você ir para a frente. E eu não gosto de música eletrônica.
F: Eu notei que a maioria das pessoas que você fez esta pergunta mencionou suas bandas favoritas… mas eu não consigo responder assim. Eu escuto muita música, mas é completamente aleatório.
E: Se eu pensar em uma banda pra citar, talvez diga The White Stripes, mas são muitas! Eu ouço um monte de coisa e eu não me lembro os nomes das músicas ou bandas, porque eu simplesmente não quero. É muita música!
F: Todo artista que visita a nossa casa é convidado a deixar uma playlist no nosso computador. Temos horas e horas de música. Muitos delas eu nunca ouvi em toda minha vida! Nosso relacionamento com a música… Ah! Relacionamento é bom! Nossa relação com a música é empatia. Talvez se eu tivesse que dizer um artista eu iria com Keith Jarett. Sua música salvou minha vida… Eu aprendi que a música também pode ser um medicamento.

Como você descreveria a energia do NOVA?
F: Você vai primeiro. (risos) Eu sempre coloco ela na frente, sempre.
E: Eu acho que a energia aqui é perfeita. Você pode falar e conhecer os artistas que vivem em outra parte do mundo e ver o que eles estão fazendo. É muito inspirador! Eu acho que é muito, muito legal. Para mim, isso é real. Muito bacana mesmo!
F: Estou muito feliz de estar aqui e muito honrado. Estou orgulhoso de ter sido convidado pelo David. Essa semana que passou foi muito intensa, muito viva e engraçada! E foi perfeito para o meu processo criativo. Eu amo a idéia de que existem pessoas me assistindo trabalhar.

Source:

So Vast is Art, Brasil 2012
http://juchohfi.tumblr.com/post/21382829874/fupete

Read more:

Press Erika & Dani

2003—2018 © Teller & K

Erika Gabbani & Daniele Tabellini
All rights reserved

This is a unique website which will require a more modern browser to work!

Please upgrade today!